Sala de Imprensa Sala de Imprensa Notícias Pesquisa analisa concentração de PM2.5 no ar em cidades de clima tropical
Divulgação Científica

Pesquisa analisa concentração de PM2.5 no ar em cidades de clima tropical

Publicado: Sexta, 12 Janeiro 2018 10:35 , Última Atualização: Sexta, 12 Janeiro 2018 11:40

A composição química da atmosfera muda constantemente devido à grande quantidade de poluentes lançados todos os dias. Um estudo brasileiro publicado pelo periódico Air Quality, Atmosphere & Health levantou os primeiros resultados sobre PM2.5 (material particulado fino ou, em inglês, particulate matter) de longo prazo. A pesquisa apresenta também resultados sobre a fração orgânica solúvel em água, ainda pouco estudada no material particulado no país.

12012018 materia periodicos

O artigo científico Chemical composition of fine particles (PM2.5): water-soluble organic fraction and trace metals – disponível em texto completo no Portal de Periódicos – é parte do trabalho de doutorado da pesquisadora Luciana Ventura. “No Brasil faltam dados sobre a poluição atmosférica. Nos aprofundamos nessa carência e chegamos ao resultado de que as concentrações médias anuais em muitos locais são maiores que o limite sugerido pela Organização Mundial de Saúde”, disse a cientista Adriana Gioda, orientadora do projeto.

Gioda explica que no Brasil o PM2.5 não é legislado, embora seja reconhecidamente tóxico. “As partículas finas são um dos principais poluentes do ar. A composição química desses elementos é de fundamental importância tanto para a saúde quanto para o clima. Levantamentos sobre o PM2.5 foram realizados em diversos países com vários tipos de clima. Enquanto muitos desses países já têm legislação para tratar o composto químico, no Brasil ainda temos poucos estudos, o que dificulta a definição de padrões”, avalia.

120120178 adriana gioda 2

Os dados foram coletados em áreas urbanas e rurais do estado do Rio de Janeiro, incluindo a capital, sendo que as regiões urbanas apresentaram concentrações mais altas de impurezas no ar. Entretanto, segundo Gioda, “o Rio de Janeiro, especificamente, apresenta diferentes características, como a brisa do mar e a cadeia de montanhas que influenciam na diluição de poluentes”. Por isso, as diferenças de concentrações são variáveis. “Os veículos compõem a maior fonte de emissão de poluentes para a atmosfera. Uma melhora ou redução na frota poderia ajudar a melhorar a qualidade do ar”, pontua a especialista.

A revista científica Air Quality, Atmosphere & Health está disponível* para os usuários da biblioteca virtual da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). “O Portal de Periódicos é indispensável para o desenvolvimento da pesquisa no país. Sem esse recurso, não teríamos um acesso tão amplo; estaríamos muito aquém do que é realizado internacionalmente. A variedade disponível de títulos de periódicos e livros é de enorme relevância para a comunidade acadêmica”, conclui Adriana Gioda.

Além de Gioda, contribuíram com o estudo de Luciana Ventura os pesquisadores Vinícius Lionel Mateus, Alexandre Almeida, Kristine Wanderley, Fábio Taira e Tatiana Saint’Pierre. O artigo científico Chemical composition of fine particles (PM2.5): water-soluble organic fraction and trace metals pode ser localizado por meio do campo buscar assunto do Portal ou diretamente na revista científica (buscar periódico).

*Verifique o conteúdo do Portal de Periódicos disponível para sua instituição.

(Brasília-DF com informações do Portal de Periódicos)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'CCS/CAPES’

Compartilhe o que você leu