Notícias Professora ganha Prêmio Para Mulheres na Ciência
DIA DO PROFESSOR

Professora ganha Prêmio Para Mulheres na Ciência

Publicado: Quarta, 16 Outubro 2019 15:52 , Última Atualização: Quarta, 16 Outubro 2019 15:58

Jaqueline Mesquita professora e pesquisadora UnB Foto Divulgação L Oreal Brasiljpeg

Mais uma história de conquista na qual a CAPES deu a sua parcela de contribuição. Na quinta-feira, 11, a professora do Departamento de Matemática (MAT) da Universidade de Brasília (UnB), Jaqueline Godoy Mesquita, recebeu o prêmio “Para Mulheres na Ciência”, promovido pela L’Oréal, em parceria com a Unesco Brasil e a Academia Brasileira de Ciências (ABC).

Este ano o Prêmio teve como tema a "Transformação do Panorama da Ciência no País”. Sua intenção é promover o equilíbrio dos gêneros dentro do meio científico, agraciando sete pesquisadoras nas áreas de Ciências da Vida, Matemática, Física e Química.

“Dentro da matemática, eu trabalho com as equações diferenciais funcionais com retardamento. Essas equações podem ser usadas para descrever modelos de doenças como o vírus da Zika, que possuem certo período de incubação, ou seja, existe um certo tempo entre a pessoa ser infectada e apresentar os sintomas da doença”, disse Jaqueline.

Jaqueline é bolsista, na modalidade professor visitante sênior, do Programa CAPES/Humboldt – uma parceria entre as fundações brasileira e alemã, Alexander von Humboldt (AvH), que tem como objetivo a internacionalização dos programas de pós-graduação de instituições de ensino superior (IES) brasileiras, juntamente com a Universidade Justus-Liebig, em Giessen, na Alemanha.

Trajetória
A professora foi bolsista da CAPES em outras duas ocasiões: durante seu doutorado-sanduíche, cursado em Praga, na Academia de Ciências da República Tcheca, pelo Programa CAPES/PDEE (PDSE), e no seu pós-doutorado, cursado na Universidad de Santiago de Chile (Usach), pelo Programa de Pós-Doutorado no Exterior.

Em 2017, Jaqueline foi a única brasileira escolhida para receber o prêmio de matemática, Heidelberg Laureate Forum, na Alemanha. Em 2018, passou a integrar o grupo de pesquisadores da Academia Mundial de Ciências.

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu