Notícias Bolsistas produzem substâncias usando glicerina de biodiesel
Agroenergia

Bolsistas produzem substâncias usando glicerina de biodiesel

Publicado: Quinta, 12 Setembro 2019 17:05 , Última Atualização: Sexta, 13 Setembro 2019 17:02

WhatsApp Image 2019 08 20 at 11.31.55 1

Uma pesquisa desenvolvida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com a participação de bolsistas da CAPES pode alavancar os ganhos do Brasil com a produção de biocombustíveis. Concluído em 2018, o estudo testou diversas formas de se aproveitar a glicerina gerada de forma residual durante a produção de biodiesel, convertendo-a em compostos de alto valor agregado que podem ser usados pela indústria.

Durante o trabalho, conduzido pela divisão de Agroenergia da Embrapa por cerca de três anos, os pesquisadores usaram diferentes microrganismos, como fungos e bactérias, para sintetizar novas substâncias a partir da glicerina pura – processo conhecido como bioconversão. Com isso, foi possível produzir compostos com uso em diferentes setores da indústria, como ácidos orgânicos, polióis, dióis e cetonas.

“Por exemplo: os fungos do gênero Aspergillus conseguiram sintetizar ácido kójico, assim como bactérias do gênero Klebsiella conseguiram produzir 2,3-Butanediol e acetoína. Esses três compostos podem ser utilizados na indústria química e também na farmacêutica”, explica Jamille Lima, que é mestre e doutora em tecnologia de processos químicos e bioquímicos, e participou do projeto como bolsista do edital CAPES-Embrapa.

De acordo com os pesquisadores, os compostos de alto valor agregado produzidos podem gerar um lucro que varia entre dez e 100 vezes o valor obtido com a comercialização da glicerina bruta, muitas vezes utilizada nas próprias usinas de biodiesel para gerar energia.

Agora, a Embrapa busca parcerias na iniciativa privada para sintetizar os compostos em escala-piloto. “A ideia é levar o projeto para escalas maiores. Sair da bancada do laboratório e ir para a indústria”, destaca Diana Rêgo, que também foi bolsista do edital CAPES-Embrapa durante o estudo. “A CAPES está formando pessoas que vão ter a capacidade de dar um retorno, principalmente na área biotecnológica, para a sociedade” completa a pesquisadora, que tem mestrado em ciências ambientais e doutorado em ciências.

*Com informações da Embrapa

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu