Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > Monitoramento de Passaúna: os bons frutos de uma parceria de sucesso
Início do conteúdo da página
Cooperação internacional

Monitoramento de Passaúna: os bons frutos de uma parceria de sucesso

Publicado: Terça, 05 Fevereiro 2019 16:40 | Última Atualização: Segunda, 18 Fevereiro 2019 13:16

05022019 Foto Passaúna
Pesquisadores alemães utilizam tecnologia de sonar para mapear o reservatório de Passaúna. (Foto: Lucas Santos - CCS/CAPES)

Pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) partiram esta semana em expedição à barragem de Passaúna, na região metropolitana de Curitiba. O objetivo é aplicar estratégias de gestão por monitoramento do reservatório que responde por 30% do abastecimento de água potável da cidade.

A pesquisa é resultado de uma parceria entre a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e as universidades alemãs Koblenz Landau e Karlsruhe Institute of Technology, iniciada em 2010 com o Programa Novas Parcerias (NoPa), uma iniciativa que envolveu a CAPES, o Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) e a Sociedade Alemã para a Cooperação Internacional (GIZ).

WhatsApp Image 2019 02 05 at 16.44.13
Pesquisadores desenvolvem atividades no reservatório de Passaúna. (Foto:Lucas Santos - CCS/CAPES)

Encerrado em 2018, o NoPa rendeu bons frutos e o trabalho, depois de reformulado, continuou no projeto sucessor MuDak (Multidisciplinary data acquisition as the key for a globally applicable water resource management) com mais parcerias e cooperação forte. Para executar as atividades são necessários três barcos e diversos equipamentos de coleta. Alguns deles, como os medidores, foram adquiridos com verbas da parceria e doações. No percurso são coletados dados como turbidez da água, acúmulo de sedimentos e volume do reservatório.

Cristóvão Fernandes, coordenador do programa de pós-graduação em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental da UFPR, ressalta a importância do trabalho: "O reservatório tem comportamentos potenciais diferentes ao longo do tempo. Manter a série histórica de coletas é fundamental para conhece-lo melhor, assim como ao seu ecossistema".

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Fim do conteúdo da página