Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > Workshop debate planejamento estratégico para universidades brasileiras
Início do conteúdo da página
Internacionalização

Workshop debate planejamento estratégico para universidades brasileiras

Publicado: Quinta, 22 Fevereiro 2018 18:42 | Última Atualização: Segunda, 26 Fevereiro 2018 08:10

Com o objetivo de apresentar a importância do Planejamento Estratégico nas ações para a pós-graduação das universidades brasileiras, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) promoveu nesta quinta-feira, 22, o workshop internacional “Traçando o Curso para a Excelência: Aplicando o Planejamento Estratégico para Compreender os Desafios do Século 21 – Uma Perspectiva Norte-Americana”.

22022017 MG 0003
O evento contou com a participação de dois especialistas sobre o tema vindos da City University of New York (CUNY), a maior universidade urbana dos EUA (Foto: Vinícius Tristão - CCS/CAPES)

O evento contou com a participação de dois especialistas sobre o tema vindos da City University of New York (CUNY), a maior universidade urbana do país, com mais de 260.000 estudantes em regime de créditos e 273 mil alunos de educação continuada e profissional, matriculados em campi localizados em todos os cinco distritos de Nova York.

22022017 MG 0037
O professor James B. Miliken abordou o que chama de imperativo do planejamento estratégico (Foto: Vinícius Tristão - CCS/CAPES)

O professor James B. Miliken abordou o que chama de imperativo do planejamento estratégico. “Não estamos aqui para ensinar como fazer a gestão de uma universidade, tenho certeza que vocês já fazem muito bem esse trabalho, estive envolvido em muitos trabalhos de cooperação acadêmica com pesquisadores brasileiros nos últimos anos”. Para Miliken, o que é importante nesse processo é uma mudança de perspectiva. “É fundamental encontrar uma maneira de pensar estrategicamente o futuro. Como isso funcionará em sua instituição, só você poderá saber”.

O especialista norte-americano trouxe um panorama sobre o novo ambiente da educação superior no século XXI e como pensar estrategicamente diante deste cenário. O professor Miliken acredita na importância de criar uma cultura de planejamento. “O mais difícil não é o planejamento, ter um plano feito, o verdadeiro desafio é como fazer com que toda a instituição, todo o corpo de funcionários, da diretoria, ao apoio técnico, passando pelos professores, pense estrategicamente. Saibam para onde estão indo e para onde querem ir”, definiu.

Representante do Centro de Pós-Graduação da CUNY, o professor Chase F. Robison, também reforçou que o objetivo do encontro não era apresentar uma receita única de Planejamento Estratégico. “Há múltiplas maneiras de se atingir esse objetivo. Ao demonstrar um caso e mostrar o processo da City University of New York, os pesquisadores brasileiros podem entender melhor como nós chegamos onde estamos, mas principalmente, aonde podem ir”, enfatizou.

22022017 MG 0045
O professor Chase F. Robison reforçou que o objetivo do encontro não era apresentar uma receita única de Planejamento Estratégico (Foto: Vinícius Tristão - CCS/CAPES)

Robinson define planejamento estratégico como processo organizado e deliberado com a intenção fomentar mudança. Em uma conversa sobre planejamento e internacionalização, abordou os novos modos do conhecimento, uma realidade em que Google e Wikipédia são mais conhecidas que Enciclopédia Britânica. “Vejo os telefones como periscópios dos estudantes, em que eles exploram o mundo. Nesse universo não cabem mais aulas meramente expositivas, com os estudantes todos sentados”

O pesquisador norte-americano também chamou atenção para como as diferenças na economia impactam no perfil dos estudantes. Hoje, nos EUA, os universitários são mais velhos, não-brancos, trabalham enquanto estudam e provavelmente terão muito mais profissões diferentes do que a geração anterior. Robinson também foi enfático na importância do pensamento disciplinado na realização de uma missão.” É preciso compreender que não se pode fazer tudo, mesmo numa instituição; Estratégia significa deixar de fazer algumas coisas”, concluiu.

CAPES/Print
O Presidente da CAPES, Abilio Baeta Neves, ressaltou as expectativas com o Programa Institucional de Internacionalização de Instituições de Ensino Superior e de Institutos de Pesquisa do Brasil (CAPES/PrInt), que está com inscrições abertas até 18 de abril de 2018. “Depositamos uma expectativa muito grande com esse programa, no sentido que ele realmente estimule as universidades a se repensarem estrategicamente e ao mesmo tempo ajude a CAPES a reconstruir uma forma de financiamento que valorize a iniciativa de cada instituição”, afirmou.

A iniciativa disponibilizará R$ 300 milhões anuais para apoio a Projetos Institucionais de Internacionalização. No total, serão selecionados até 40 projetos. “Ao estimular o debate sobre a organização estratégica, temos o começo de uma reflexão ainda mais ampla sobre o modelo da pós-graduação e onde queremos levar nosso sistema. O CAPES/Print é também um estímulo à discussão, à organização e ao desenvolvimento da pós-graduação brasileira. Queremos que as universidades brasileiras trabalhem junto com a CAPES nas redefinições necessárias do sistema de fomento e avaliação da pós”, definiu.

22022017 MG 0051
O Programa CAPES/Print disponibilizará R$ 300 milhões anuais para apoio a Projetos Institucionais de Internacionalização (Foto: Vinícius Tristão - CCS/CAPES)

Também presente no workshop, o conselheiro para Educação, Cultura e Imprensa da Embaixada dos EUA no Brasil, Erik Holm-Olsen, definiu o encontro como demonstração do comprometimento da criação de planos sustentáveis e inclusivos para internacionalização da educação brasileira. “Nosso pilar é a bilateralidade. Nós da missão diplomática trabalhamos para aumentar as conexões com o Brasil e somos gratos a CAPES por fazer do EUA um dos principais parceiros do novo programa CAPES/Print”, afirmou.

Para o representante do governo norte-americano, as universidades nos EUA continuam interessadas em trabalhar com pesquisadores brasileiros, como parceiros equivalentes. “A Embaixada dos EUA acredita no poder da internacionalização não apenas como forma de aprimorar as experiências das instituições brasileiras, mas também de enriquecer com diversidade de conhecimento as instituições dos Estados Unidos”

O vice-presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Rui Vicente Oppermann apontou para a possibilidade de crescimento que se encontra latente nas instituições. ”As universidades passaram por um momento de expansão, com aumento de docentes, em geral doutores preparados para pesquisa e pós-graduação. Essa é uma oportunidade de expansão, não apenas numérica, mas qualitativa para nossos programas”.

Opperman acredita que o programa CAPES/Print é bem sucedido ao colocar o desafio da internacionalização das instituições com um enraizamento institucional. “Essa é a grande, e melhor, novidade do programa: atrelar o planejamento para a internacionalização com planejamento estratégico, uma perspectiva prática, realizável e factível. Dessa forma, o programa passa de oportunidade de internacionalização, para também possibilidade de organização de nossas instituições produtoras de conhecimento”.

Instituído pela portaria nº 220, de 3 de novembro de 2017, o CAPES/PrInt tem como objetivo fomentar a construção, a implementação e a consolidação de planos estratégicos de internacionalização de instituições, estimular a formação de redes de pesquisas internacionais com foco no aprimoramento da qualidade da produção acadêmica vinculada à pós-graduação, ampliar as ações de apoio à internacionalização na pós-graduação, promover a mobilidade de docentes e de discentes, incentivar a transformação das instituições participantes em um ambiente internacional, além de integrar outras ações de fomento da CAPES ao esforço de internacionalização.

(Pedro Arcanjo - Brasília - CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura “CCS/CAPES”

Leia também:
Debate aborda financiamento privado para ciência brasileira
Diretora da CAPES apresenta estratégias de internacionalização para universidades
Reunião aborda estratégias de excelência para universidades

Fim do conteúdo da página