Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Sala de Imprensa > Notícias > Ex-aluna do Ciência sem Fronteiras ganha olimpíada nuclear internacional
Início do conteúdo da página
CsF

Ex-aluna do Ciência sem Fronteiras ganha olimpíada nuclear internacional

Publicado: Sexta, 18 Setembro 2015 08:02 | Última Atualização: Segunda, 06 Junho 2016 12:13

A estudante da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Alice Cunha da Silva, foi a vencedora da Nuclear Olympiad, organizada pela World Nuclear University (WNU) e pela Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea). O resultado da competição internacional foi anunciado nesta quinta-feira (17) na sede da Aiea, em Viena (Áustria). Autoridades da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen/MCTI), que estão em Viena em razão da Conferência Geral da Aiea, participaram da cerimônia de premiação.

1892015-materia-bolsista-csf-nuclear-foto1
Alice focou a produção de radioisótopos. (Crédito: Divulgação)

Sob o tema "Técnicas Nucleares para o Desenvolvimento Global", a competição reuniu estudantes de graduação e pós-graduação de diversos países, que foram instigados a produzir vídeos de 60 segundos sobre alguma aplicação da energia nuclear que não fosse relativa à geração de eletricidade ou ao ciclo de produção do combustível nuclear.

Alice, aluna do Curso de Engenharia Nuclear da UFRJ, produziu um vídeo intitulado "Nuclear Save Lives" (Nuclear Salva Vidas). Ela abordou a Medicina Nuclear e suas técnicas de diagnóstico e tratamento de doenças. A qualidade do vídeo e a grande quantidade de visualizações do conteúdo na internet fizeram a estudante brasileira chegar à etapa final da competição. Alice foi a única finalista brasileira e também dos países americanos. Clique aqui e assista ao vídeo.

"Todas as apresentações foram ótimas. Fomos julgados, os pontos foram contados e eu ganhei. Recebi o troféu das mãos do diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, Yukiya Amano", relatou a estudante.

Ela concorreu com quatro estudantes selecionados em duas etapas eliminatórias. Na primeira, os juízes avaliaram os vídeos enviados pelos participantes considerando a criatividade de cada um, a relevância e a adequação ao tema "Técnicas nucleares para o desenvolvimento global". Os trabalhos selecionados para a segunda fase foram divulgados na internet para apreciação do público. Os cinco vídeos que receberam o maior número de avaliações positivas no Youtube seguiram na disputa.

Na manha desta quinta-feira, na sede da Aiea, os cinco finalistas realizaram apresentações orais sobre tecnologia nuclear. A apresentação de Alice foi considerada "excelente" por muitos dos presentes, e foi o que a fez vencer a Nuclear Olympiad.

Alice, agora, faz planos para o futuro. Conta que pretende seguir carreira na área de produção de energia. "Nós temos em mãos uma das chaves para a produção de energia de base limpa, confiável, barata e, ao contrário do que muitos pensam, segura", afirma.

Ciência sem Fronteiras
Pelo Programa Ciência sem Fronteiras, Alice estudou por um ano nos Estados Unidos (EUA). A estudante também já teve a oportunidade de apresentar seu trabalho em um congresso organizado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA. (MIT, na sigla em inglês). No Brasil, Alice chegou a participar da fundação da Seção Estudantil de Engenharia Nuclear da UFRJ, a qual foi presidente.

Em 2013, a estudante foi uma das coordenadoras da Semana de Engenharia Nuclear, evento que tem o patrocínio de algumas empresas – entre elas as Indústrias Nucleares do Brasil (INB) –, com o propósito de estimular alunos de graduação no desenvolvimento de pesquisas e projetos na área.

Fonte: INB

Fim do conteúdo da página