Sala de Imprensa Notícias Capes lança base virtual com obras completas do século 18

Capes lança base virtual com obras completas do século 18

Publicado: Quarta, 28 Junho 2006 21:00 , Última Atualização: Quarta, 21 Mai 2014 19:58
Capes lança base virtual com obras completas do século 18
{mosimage}

Livros, ilustrações, revistas, cartuns, debates e idéias de importantes pensadores do século 18 poderäo ser acessadas na internet a partir de hoje, 29, pela comunidade acadêmica de todo o país. Obras completas de filósofos como Emmanuel Kant ou de cientistas políticos como Adam Smith estão disponíveis no Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação (Capes/MEC).

A Coleção Capes de Humanidades é constituída de 150 mil livros publicados no século 18. As obras são da Biblioteca Nacional Britânica, localizada em Londres, e foram digitalizadas por editora internacional para serem acessadas por meio eletrônico. Ao todo são 33 milhões de páginas, contendo obras das áreas de literatura, artes, história, geografia, ciências sociais, religião, filosofia e medicina.

O lançamento da Coleção foi realizado na Academia Brasileira de Letras (ABL), no Rio de Janeiro, no final da tarde desta quarta-feira, 28. O vice-presidente da ABL, Cícero Sandroni, fez a abertura da cerimônia dando boas-vindas ao século 18. "Agora ficou mais fácil chegar lá", brincou. Para o acadêmico, a aquisição representa uma contribuição enorme para que os estudiosos estabeleçam uma ponte entre o passado e o futuro.

O presidente em exercício da Capes, Renato Janine Ribeiro, ressaltou que a nova base do Portal de Periódicos representa um investimento na educação e na pesquisa, que contribui para o desenvolvimento da sociedade brasileira. "É muito importante, porque estamos introduzindo um novo tipo de título que é o livro para a comunidade acadêmica", afirmou.

A apresentação da base foi feita pelo diretor de Programas da Capes, José Fernandes de Lima, que destacou as facilidades de busca e a importância de encontrar os textos no idioma original. Os livros são apresentados em inglês, francês, alemão e até latim. "Temos que aumentar a visibilidade internacional da produção acadêmica brasileira. Essa base irá contribuir muito para que os estudantes e pesquisadores das áreas das ciências humanas consigam publicar ainda mais artigos científicos", disse. A presidente da Comissão Brasileira de Bibliotecas Universitárias (CBBU), Sigrid Weiss Dutra, acrescentou que seria inviável reunir uma acervo como esse de forma física. "Com certeza as humanidades terão muita informação valiosa para ampliar o seu desempenho", disse.

Da cerimônia participaram o diretor de Políticas de Educação Superior do MEC, Godofredo de Oliveira Neto, o vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências, Carlos Eduardo da Rocha Miranda, além de bibliotecárias, representantes de área da Capes, professores, pesquisadores e estudantes.

Os usuários interessados em conhecer a nova base devem procurar as bibliotecas das universidades públicas e das instituições privadas com cursos de pós-graduação avaliados com conceito igual ou acima de 5.

Para o doutor em filosofia e especialista em autores do século 18, Plínio Smith, a aquisição da base é fundamental para a área de ciências humanas porque faltam bibliotecas no Brasil. "O acesso a essa base muda o patamar da pesquisa em ciências humanas no país. Tendo acesso a estes textos melhora muito a qualidade da pesquisa", avalia.

Século 18 - A Tolerância, intolerância e liberdade no século 18 foi o tema de discussão escolhido pelo acadêmico, Sérgio Paulo Rounet, e pelo diretor de Avaliação da Capes e filósofo, Renato Janine Ribeiro, para celebrar a nova base de informações científicas. O iluminismo na Revolução Francesa, a liberdade, idéias desenvolvidas por autores daquela época como Rousseau, Montesquieu, Voltaire, Locke, Diderot e D'Alembert fizeram parte da exposição realizada pelos dois estudiosos. A apresentação dos dois palestrantes será disponibilizada no sítio da Capes a partir da próxima semana. (Adriane Cunha)

Compartilhe o que você leu