Notícias Novo protozoário é descoberto por ex-bolsista da CAPES
Bolsista em destaque

Novo protozoário é descoberto por ex-bolsista da CAPES

Publicado: Sexta, 12 Julho 2019 10:37 , Última Atualização: Terça, 16 Julho 2019 17:32

IMG 4570

Mestre em Ciência Animal pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e ex-bolsista de doutorado pleno da CAPES em Ciências Veterinárias pela Murdoch University, na Austrália, Amanda Duarte, foi premiada pela descoberta de uma nova espécie de protozoário, encontrado em um morcego australiano. O acontecimento se deu durante seu trabalho de doutorado, no qual desenvolveu uma nova técnica para diagnosticar doenças parasitárias em animais e humanos. A pesquisa foi feita em parceria com veterinários do Australia Zoo Wildlife Hospital.

Em julho deste ano, a pesquisadora foi agraciada com um prêmio durante a cerimônia mundial do Odile Bain Memorial Prize, nos EUA, que laureia cientistas em início de carreira nas áreas de parasitologia médica e veterinária.

Fale um pouco sobre o seu projeto de pesquisa e seu objetivo.
O objetivo da minha pesquisa é investigar agentes infecciosos, como bactérias e protozoários, transmitidos por vetores em animais e humanos na Austrália. Para isso, tecnologias avançadas de detecção genética e caracterização morfológica são desenvolvidas. Por exemplo, utilizando uma técnica que chamamos de Next-generation sequencing, é possível reproduzir milhões de sequências de DNA presentes em uma amostra de sangue e, a partir das mesmas, identificar todos os microrganismos presentes naquele hospedeiro.

Qual foi a sua reação ao saber do prêmio?
Eu estava no Brasil visitando os meus pais. Estávamos juntos, no aeroporto, no momento em que recebi a notificação. Eu dei um grito de surpresa, contei a eles e lhes dei um abraço, agradecendo-lhes por serem meus maiores incentivadores. O meu sentimento foi de profunda felicidade, gratidão e certeza de estar no caminho certo.

O meu desempenho e minhas produções científicas até o momento, como um todo, foram importantes para que eu ganhasse este prêmio. Porém, meus trabalhos de maior destaque estão relacionados à minha tese de doutorado, na qual eu desenvolvi novas técnicas para diagnóstico de doenças parasitárias em animais, vetores e humanos. Além disso, o prêmio parabeniza a descoberta e caracterização de uma nova espécie de Trypanosoma em um flying fox australiano, uma espécie de morcego nativo da Austrália. A nova espécie é geneticamente similar ao parasito causador da Doença de Chagas no Brasil e foi nomeada Trypanosoma teixeirae, em homenagem à pesquisadora brasileira, professora Marta Teixeira, da Universidade de São Paulo (USP).

IMG 4599

Quais são os principais pontos da sua pesquisa?
Os principais pontos da minha pesquisa são, o diagnóstico, a caracterização genética de agentes infecciosos transmitidos por vetores, bem como determinar a sua prevalência, hospedeiros, distribuição espacial e potencial patogênico, ou seja, potencial para causar doenças em animais e humanos. Além disso, no momento, estou trabalhando com técnicas de visualização e caracterização de bactérias no interior dos carrapatos para determinar o mecanismo de transmissão e auxiliar na melhoria dos métodos de prevenção e controle de doenças relacionadas.

Qual a importância do seu trabalho para a realidade brasileira? E no âmbito internacional?
O meu trabalho é de grande importância para as realidades brasileira e internacional, uma vez que ele descreve metodologias de pesquisa inovadoras que podem ser usadas em qualquer lugar do mundo. O Brasil é um país que possui alto índice de doenças bacterianas e parasitárias transmitidas por vetores; portanto, o modelo cientifico, as descobertas e as técnicas utilizadas durante meus projetos na Austrália podem ser diretamente transferidas para a pesquisa no Brasil. Algumas dessas técnicas avançadas, por exemplo, ainda não são muito comuns no Brasil. Além disso, eu colaboro com a USP e UFMG, em troca de amostras para estudos de parasitas, sequenciamento e análise de genomas, co-orientação de alunos, treinamentos e transferência de tecnologia.

O que a sua pesquisa traz de diferente daquilo que já é visto na literatura?
Um dos aspectos inovadores da minha pesquisa é o desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias para diagnóstico de agentes infecciosos e melhor compreensão dos mecanismos de transmissão desses agentes por seus vetores. Além disso, dados importantes têm sido gerados sobre a ocorrência de diversos novos micro-organismos potencialmente patogênicos para animais e humanos na fauna silvestre Australiana.

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu