Notícias Projetos de vacina e tratamento da COVID-19 serão apoiados pela CAPES
Combate a Epidemias

Projetos de vacina e tratamento da COVID-19 serão apoiados pela CAPES

Publicado: Quarta, 01 Julho 2020 13:49 , Última Atualização: Segunda, 13 Julho 2020 19:10

Coordenação selecionou 38 projetos sobre Fármacos e Imunologia no Programa de Combate a Epidemias. Outras 54 iniciativas são apoiadas em mais dois editais.

01072020 FOTO DENTROMATERIA EDITAL 11

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) selecionou 38 projetos no edital nº 11, no âmbito do Programa de Combate a Epidemias. As propostas aprovadas são voltadas ao desenvolvimento de vacinas, medicamentos, produtos imunológicos e auxílio ao tratamento da COVID-19.

Jorge Elias Kalil Filho, professor da Faculdade de Medicina da USP, é coordenador de uma das iniciativas. Com quatro bolsas de doutorado e seis de pós-doutorado foram concedidas pela CAPES para o estudo, cerca de 30 profissionais trabalham com ele no desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus. Para o seu estudo, foram coletados soro e células de 210 pacientes durante a doença. Após a cura, mostras de sangue foram colhidas. Os pesquisadores investigam os anticorpos produzidos, o alvo de proteção no corpo e os glóbulos brancos, responsáveis pelo sistema imune.

A vacina idealizada pela equipe deverá conter fragmentos do vírus reconhecidos por anticorpos e células que ajudarão o organismo na proteção, multiplicação e combate. “Nós queremos fazer uma vacina que seja bastante completa, que tenha uma grande cobertura na população, dê alto nível de proteção por anticorpos e células”, afirma Jorge, que espera uma imunização das pessoas por um longo período.

Kalil lembra que as vacinas levam, em média, 15 anos para ficarem prontas, mas ressalta que esse prazo deve ser bem menor em relação ao novo coronavírus. Para ele, a formação de novos pesquisadores no cenário atual serve de estímulo: “Você pega gente jovem, coloca um problema real, importante para o mundo, isso incentiva muito, tanto a nós, cientistas, quanto aos alunos”.

O coordenador destacou a importância de programas como o Combate a Epidemias. “Esses editais vêm suprir a necessidade de se fazer um trabalho de urgência para responder a uma necessidade mundial. Propicia aos grupos terem pesquisadores bem direcionados e novos alunos para desenvolver essas questões”, completa.

Na Região Nordeste, Reinaldo Oriá, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, comanda outro projeto selecionado. A equipe liderada por ele estuda o efeito da COVID-19 em pacientes transplantados renais ao longo de dois anos. A pesquisa procura entender como a doença age nesses pacientes e qual a forma adequada para o tratamento com medicamentos já existentes. Para isso, foram coletadas amostras de sangue e urina dos pacientes e criados biomarcadores para possibilitar o estudo da doença em várias fases. “Além de proteger o enxerto renal, é preciso proteger o paciente contra a doença e reduzir a mortalidade pela COVID-19”, afirma Oriá.

O coordenador explica que compreender a ação dos fármacos imunossupressores e anti-hipertensivos para ter uma estratégia eficiente para o tratar a doença é fundamental. “Existe um leque de fármacos já sendo utilizados e precisamos entender qual a ação na proteção do enxerto renal, na proteção contra a doença e nos desfechos clínicos desses pacientes”, ressalta Oriá.

O projeto tem a participação de cerca de 20 pesquisadores e recebeu quatro bolsas de doutorado e seis de pós-doutorado. Reinaldo Oriá destaca que os estudos vão preparar os pesquisadores para outros cenários de surtos e epidemias: “É um treinamento que vai servir para pesquisas futuras. Tudo isso tem uma importância muito grande, especialmente para o Nordeste brasileiro e a população do Ceará”.

Um dos legados que o projeto deve deixar é um banco de biomarcadores, que vai permitir o estudo do vírus e suas ações após a pandemia. “Todos saem ganhando, inclusiva a sociedade, pois é a quem devemos o retorno dessa pesquisa’ completa Reinaldo Oriá.

Programa de Combate a Epidemias
Programa, um conjunto de ações de apoio a projetos, pesquisas e formação de recursos humanos para enfrentar a COVID-19 e estudar temas relacionados a endemias e epidemias, é estruturado em duas dimensões: Ações Estratégicas Emergenciais Imediatas e Ações Estratégicas Emergenciais Induzidas em Áreas Específicas. No total, serão concedidas 2,6 mil bolsas com investimento de R$ 200 milhões ao longo de quatro anos.

Confira no Programa de Combate a Epidemias os detalhes dos três editais:
CAPES - Epidemias - Edital nº 09/2020
CAPES – Fármacos e Imunologia - Edital nº 11/2020
CAPES – Telemedicina e Análise de Dados Médicos - Edital nº 12/2020

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu