Notícias Pesquisa da UFG atua do diagnóstico ao tratamento
COVID-19

Pesquisa da UFG atua do diagnóstico ao tratamento

Publicado: Terça, 16 Junho 2020 11:00 , Última Atualização: Terça, 16 Junho 2020 17:32

O curso de Medicina Tropical e Saúde Pública integra o Programa de Combate a Epidemias da CAPES.

16062020 UFG FOTO DENTRO MATERIA MEDICINA CORONA VIRUS 2

Diante do desafio imposto pela COVID-19, o Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás (UFG) abriu várias frentes de atuação para combater a doença. Do diagnóstico à produção de medicamentos, passando pela avaliação da cobertura vacinal e pelo desenvolvimento de testes rápidos de detecção, pesquisadores do doutorado buscam formas eficazes de identificar o novo coronavírus e tratar os pacientes.

Em uma das pesquisas, já iniciada em parceria com a Secretaria de Saúde Goiânia, será levantado o número de casos de infectados pelo vírus no município. Em outra, o foco é identificar a necessidade de revacinação com a BCG, que age contra a tuberculose, em trabalhadores da área de saúde. “É uma estratégia preventiva para melhorar a imunidade dos profissionais”, destaca Regina Bringel, coordenadora do programa de pós-graduação da UFG. 

A produção de anticorpos e o desenvolvimento de testes rápidos para diagnóstico da COVID-19 também fazem parte do trabalho dos professores e doutorandos. Em relação ao tratamento, a iniciativa quer otimizar, por meio de uso de fármacos, substâncias inibidoras das enzimas responsáveis pela síntese de RNA do novo coronavírus. Na pesquisa, serão utilizados métodos computacionais.

O curso integra o Programa de Combate a Epidemias, lançado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) em março, e recebeu quatro bolsas de doutorado.

 “Essa série de estudos é um passo importante para dar resposta relevante do ponto de vista científico e técnico”, argumenta Regina Bringel.  Ela explica que as pesquisas vão contribuir também para o controle de epidemias como dengue, zica e chikungunya.

16062020 UFG FOTO DENTRO MATERIA MEDICINA CORONA VIRUS 5

Cobertura vacinal
Umas das preocupações dos pesquisadores da Medicina Tropical e Saúde Pública da UFG está relacionada à cobertura da aplicação das vacinas de rotina neste período de pandemia. “Temos constatado que em outros países, está havendo uma redução da imunização o que pode gerar, no futuro, aumento de outras doenças, como sarampo, rubéola, febre amarela e meningite”, elenca Cristiana Toscano, professora do programa de pós-graduação.

A partir de observações do temor da população em procurar as unidades de saúde e de orientações incorretas de profissionais da área, o curso adotou como um dos seus temas de pesquisa a avaliação da situação no Brasil. “Nosso enfoque das coberturas vacinais é o impacto negativo que a pandemia traz sobre as ações de saúde de rotina, principalmente as ações de vacinação”, relata a professora.

Serão monitoradas e avaliadas, nos próximos seis meses, as coberturas vacinais no País. O mapeamento pretende identificar as áreas onde a taxa de imunização esteja baixa para poder intervir e elevar os índices. O objetivo é implementar medidas mais rigorosas em locais de menor cobertura.  

Dos 100 alunos do programa de pós-graduação em Medicina Tropical e Saúde Pública da UFG, 20 são bolsistas da CAPES. Criado em 1976, o curso, que é nota 5 na avaliação, estuda doenças infecciosas e parasitárias de maior prevalência no Brasil.

Programa de Combate a Epidemias
Iniciado em março, o Programa é um conjunto de ações de apoio a projetos, pesquisas e formação de recursos humanos para enfrentar a COVID-19 e estudar temas relacionados a endemias e epidemias. A iniciativa é voltada para programas de mestrado e doutorado.

Duas dimensões estruturam o Programa: Ações Estratégicas Emergenciais Imediatas e Ações Estratégicas Emergenciais Induzidas em Áreas Específicas.

Na etapa inicial, 1.150 bolsas emergenciais imediatas apoiaram áreas de Saúde (850 auxílios), Exatas, Engenharias, Tecnologias e Multidisciplinares (300 benefícios). Também fez parte da primeira fase o edital nº 09/2020, que convocou até 30 projetos para o repasse de 900 bolsas e R$345 mil de custeio. Já a segunda etapa selecionou 57 projetos, que receberão 550 bolsas e R$200 mil para despesas.

Confira no Programa de Combate a Epidemias os detalhes do três editais:
CAPES - Epidemias - Edital nº 09/2020
CAPES – Fármacos e Imunologia - Edital nº 11/2020
CAPES – Telemedicina e Análise de Dados Médicos - Edital nº 12/2020

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu