Notícias Coordenadora exalta mestrado profissional em enfermagem no Nordeste
CAPES/COFEN

Coordenadora exalta mestrado profissional em enfermagem no Nordeste

Publicado: Sexta, 05 Junho 2020 14:03 , Última Atualização: Quarta, 24 Junho 2020 16:05

Universidade de Fortaleza participa pela segunda vez do programa, que vai formar mais de 180 mestres em todo o País.

02062020 FOTO DENTRO MATERIA CAPES COFEN “Estamos felizes por termos sido contemplados pelo segundo edital. A nossa expectativa é das melhores quanto ao desenvolvimento de projetos inovadores que qualifiquem a enfermagem cearense e nordestina”, comemorou Karla Rolim, coordenadora do programa na Universidade de Fortaleza (Unifor), que já havia participado da primeira edição da parceria cujos focos de formação são a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) e a Gestão em Enfermagem.

Após o sucesso do primeiro edital, que formou 140 mestres em enfermagem entre 2017 e 2019, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nivel Superior (CAPES) e o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) lançaram o segundo edital em dezembro do ano passado. Serão investidos R$ 4,8 milhões para a formação de mais 180 mestres em 25 cursos de programas de pós-graduação (PPGs).

Financiado pelo Cofen e apoiado pela CAPES na parte de conhecimento e estrutura – como a Plataforma Sucupira, onde são enviadas as propostas para serem submetidas ao processo seletivo –, o acordo contribui diretamente para o fortalecimento e a ampliação de PPGs stricto sensu e promove o desenvolvimento de pesquisas científicas e tecnológicas, “oferecendo a esses profissionais competências e práticas assistenciais que alcancem os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS)”, explica Rolim.

O edital prevê duas modalidades. Os cursos de mestrado profissional recomendados pela CAPES terão investimento de R$3 milhões, com valor máximo de R$250 mil por projeto. Os que forem oferecidos via cooperação institucional por PPGs com nota de avaliação de no mínimo 4, terão investimento de R$1,8 milhão e valor máximo de R$300 mil por projeto. Nesse último caso, as aulas serão ministradas numa instituição receptora, que garantirá a infraestrutura e o apoio administrativo.

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu